Avançar para o conteúdo principal

A Perspectiva da Existência

Petiz, desarmada, imaginava que quando fosse “grande” o horizonte se tornaria límpido, que poderia ver com nitidez o que ficava para lá da linha. À medida que os anos passaram a linha foi-se distanciado. Sentei-me muitas vezes a tentar perceber o porquê, mas a vida continuava a decorrer e, eu, obrigava-me a erguer-me. Vezes sem conta fiz a mala e parti, outras tantas modifiquei o percurso. Em vão. A vida que imaginei atrás da linha parecia um capricho, um capricho para alguém que tão concretamente aspirava conquistas.
Sei que se fosse dúctil há muito tinha chegado, não se teme quem nada quer, não se atraiçoa quem julgamos débil mas apunhala-se, pelas costas, quem imaginamos infrangível.
Incorrigivelmente fui caminhando, lacerada, despedaçada, sangrando por te teres sumido. Não seria por ti que eu rebentaria num báratro. Quantas vezes mo gritaste mas, aquilo que ainda restava de mim, erguia-me assombradamente.
Monstruoso era o sentimento que imanava de ti, alguém afável, terno, compassivo, torna-se no oposto, venador, aguardando a derrocada final.
Tinha-te traçado, fundado e erguido, durante anos não houve encanamento ou ligação que se mostrasse imperfeita. Depois, depois devo ter adormecido. Acordei longe, esfarrapada, esbandalhada, no entanto, estava lá, ainda, o filamento que me ligava ao solo. Recebia imensas descargas que, em vez de me calcinarem, revigoraram-me.
A existência é feita de imprevistos, o planeamento não prevê fortes vendavais, tempestades, nem inundações anormais, aliás quem consegue prever o extranatural?
Esqueci-me dos malditos duendes, erro imperdoável. As travessuras que eles pintaram naquela obra! A minha obra.   
Hoje, continuo a transitar pela vida, com perspectiva na existência, devaneando contigo, conduzida por uma divindade, sem perder a direcção.

Brown Eyes

Comentários

Os teus textos são sempre uma delicia... bjs
Brown Eyes disse…
Obrigada Bela. Beijinho
HannaH disse…
mergulhar nas tuas palavras é um bom começo de semana. gostei muito, como sempre!
Brown Eyes disse…
HannaH Vielen Dank für alles. BJS
meldevespas disse…
Não sei se este texto é metaforico, se é um desabafo, se é apenas e só um devaneio poético...sim poético. É certamente uma experiência deliciosa, digo eu ;)), apesar de toda a amargura que transpira, apesar das quedas e feridas e cicatrizes. Belo de facto.
Beijinho
Brown Eyes disse…
Mel um comentário superior ao texto. Muito obrigada. Beijinhos

Mensagens populares deste blogue

Fotoshop, para quê? Continuas Feia por Dentro!

Em primeiro lugar, vou pedir desculpa a quem costuma passar por aqui. Quem o faz sabe que há atitudes que me revoltam e que por isso...Vou desabafar. Tenho andado super, super indignada com certas publicações no facebook de uma pessoa que conheci há muitos anos, tantos que até já me esqueci. Trago essa pessoa atravessada porque foi e é, não acredito em milagres, a pessoa mais ordinária que conheci e que, infelizmente, tive que lidar de muito, muito perto. Há um tempo atrás descobri uma página dela no facebook (se cometer algum erro  não se admirem, sou uma dessas excepções que nada percebe sobre o facebook) e daí para a frente as publicações e até as páginas (os nomes também vão mudando) têm mudado (faz-me lembrar aquelas pessoas que passam a vida a mudar de número de telemóvel, sempre que querem fugir de alguém mudam de número de telemóvel). Muda tudo mas, a frase de apresentação vai mantendo o mesmo sentido, mais coisa menos coisa, a última é:
Sou amante do Universo, da paz, do conh…

Carnaval de Vermes