Avançar para o conteúdo principal

Indignada


Fiquei consternada, chocada, desolada, indignada. Aquela mãe, María del Saliente A.M , com problemas na fala, chorava como uma Madalena, encaixilhada no meu ecrã de televisão.
As notícias já não nos provocam nem admiração nem atenção, penso ser geral este sentimento, mas aquela tinha todos os atributos para nos mumificar ao solo.
Estupefacta ouvi aquela mãe contar a história que a podia levar à prisão, durante 45 dias, e a retirarem-lhe um dos filhos durante um ano. Afinal o seu mais novo, 10 anos de idade, segundo os professores com atitudes violentas, tinha-lhe certo dia atirado com um sapato à cara e, seguidamente, fechou-se na casa de banho só porque a mãe, preocupada, lhe tinha mandado fazer os deveres da escola. Há muito que ele não cumpria esta tarefa.
Após alguma insistência o menino resolveu abrir a porta da casa de banho e, claro, a mãe deu-lhe uma bofetada. Quem não o faria?
Aquela mãe além de ter tido o azar de ter um filho que não a respeitava teve, ainda, o de o ter marcado. Esta era, segundo ela, a primeira vez que lhe dera uma estalada.
No dia seguinte o menino foi para a escola com os deveres feitos e com uma marca no pescoço. O professor atento, a vestígios de sangue, esquecendo as atitudes violentas e o incumprimento das tarefas diárias, resolve levar o menino ao centro de saúde. Este, por sua vez, faz um relatório e mais tarde chega a decisão do tribunal. A mãe irá presa, não me lembro por quanto tempo, e os filhos para uma instituição.
Mais tarde o tribunal resolve, antes de pôr em prática a decisão, esperar por uma amnistia.
Hoje a mãe volta à televisão esperançosa que tudo se resolva sem lhe tirarem os filhos. Esta é a sua única preocupação mas vai acrescentando que as atitudes dos filhos pioraram. Não têm qualquer respeito por ela, nem pelo pai. Eles por sua vez deixaram de os castigar, não querem passar os dias enclausurados, os últimos que conhecem o temor dos primeiros passaram a fazer da desobediência uma constante.
Imaginam o futuro desta família? Um futuro de agressões e medos. Os pais, humildes, serão uns bonecos de pancada nas mãos dos filhos, com a agravante de não haver lei que os proteja.
Esta sociedade incentiva à desobediência, falta de respeito, má educação e aprisiona os pais numa rede de malha intransponível que levará a um mundo “SEM REI NEM ROQUE”. O ditado “QUEM DÁ PÃO DÁ EDUCAÇÃO” deixou de ter sentido passando o menor a “SER O REI DA CANTAREIRA”. Não se esqueçam de chamar os pais à responsabilidade quando o menor cometer um delito.

Brown Eyes

Comentários

R.I.P.per disse…
Vamos educar os putos c mimos entao.
Ms q tremendo preciosismo e falta d bom senso.
Ricardo Costa disse…
Não há dúvidas que vivemos numa sociedade SEM REI NEM ROQUE. Uma sociedade onde se roubam milhões e se continua em liberdade que é?
Gingerbread Girl disse…
Ser pai pode revela-se a mais árdua das tarefas...
Tudo é incógnita.
Tudo é duvida.




**

Mensagens populares deste blogue

Carnaval de Vermes

Fotoshop, para quê? Continuas Feia por Dentro!

Em primeiro lugar, vou pedir desculpa a quem costuma passar por aqui. Quem o faz sabe que há atitudes que me revoltam e que por isso...Vou desabafar. Tenho andado super, super indignada com certas publicações no facebook de uma pessoa que conheci há muitos anos, tantos que até já me esqueci. Trago essa pessoa atravessada porque foi e é, não acredito em milagres, a pessoa mais ordinária que conheci e que, infelizmente, tive que lidar de muito, muito perto. Há um tempo atrás descobri uma página dela no facebook (se cometer algum erro  não se admirem, sou uma dessas excepções que nada percebe sobre o facebook) e daí para a frente as publicações e até as páginas (os nomes também vão mudando) têm mudado (faz-me lembrar aquelas pessoas que passam a vida a mudar de número de telemóvel, sempre que querem fugir de alguém mudam de número de telemóvel). Muda tudo mas, a frase de apresentação vai mantendo o mesmo sentido, mais coisa menos coisa, a última é:
Sou amante do Universo, da paz, do conh…