Avançar para o conteúdo principal

Vidas



Há vidas tão parecidas, quantas vezes me fizeste lembrar a minha! Só, mas não perdido, vivi esperando ser amado, admirado, confiando encontrar os meus procriadores, que tive anos a meu lado, sem os sentir. Quando a desigualdade, no trato da criação, é tão notória a dúvida invade-nos. Será que, apesar de ter brotado da mesma árvore, aparentemente, houve enxerto? Porque será que, só para mim, eras sombria? Para o outro lado reflectias a luz. Tinha as raízes bem fundas, daí ter conseguido, sempre, manter-me erguido apesar das machadadas penetrantes. Com alguma dificuldade, confesso, consegui ir arrancando o machado. As cicatrizes perduram, ténues mas subsistem.
Quantas vezes me deparei num cruzamento, sem saber qual a via que me levaria à posteridade idealizada? Como se não bastasse ainda me embutias o abismo, não me deixavas pensar com aquele burburinho ensurdecedoramente crítico. Parece até que te doía veres-me singrar. Devaneava pensando que sendo um ramo teu te orgulhavas de mim, da minha beleza original e pura, sem artifícios nem podas. Estava enganado. Rezavas para que um raio me partisse para me poderes, a seguir, abalar de reprimendas. Porquê, em vez disso, não optaste nunca por me guiares e escutares? Era o vento público que te deixava surda? Bastava que te centrasses em mim, estava mesmo a teu lado e era um dos teus ramos.
Há tantos anos que existia e ainda não me conhecias, ou será que não o pretendias fazer? Mesmo que fosse fruto de um enxerto, a dúvida permanecerá, agora era teu. Lutava contra o frio, o vento, a chuva e a neve, só. Era bem mais franzino que tu mas, muito mais sólido. Era a minha robustez, a minha resistência, perseverança e tenacidade que exacerbavam e impulsionavam o teu desejo de aniquilação contra mim?
Um dia quase conseguiste, foi aquele em que me roubaste o meu pomo, a única pigmentação que ainda possuía. Caí, andei perdido entre intempéries e vendavais. Não sabia como voltar ao cocuruto. No solo não podia residir muito tempo, apodreceria. Gritaste-me, vezes sem conta, para ali permanecer, nunca dobraste um dos teus ramos para me erguer. Tentei arrastar-me até ti, na esperança que me escorarias mas, em vão.
Com as folhas já amarelecidas fiz um esforço e consegui. Foi, sem dúvida, a experiência adquirida com as tuas estocadas que me ergueu. Por esta não esperavas tu.
Hoje vivo numa campina onde brilha o sol de segundo a segundo, sem obstáculos que o ofusquem, sem tormentas, rebuliços nem algazarras. Espero, ainda, que o produto perdido volte, que valorize a seiva que lhe forneci ao longo de anos mas, nada me impede de ser feliz. Sabes porquê? Deixei de perder energias contigo, concentrei-as em mim, ouço apenas a minha voz confiante e ignoro-te. Vivo e não vegeto, como tu.

Brown Eyes

Comentários

Pi disse…
Belissimo texto Mary Brown!

E infelizmente há muita gente nesta vida que mais vegeta, do que vive, iluminados os que escolhem viver.

Noto aí uma relação dificil com os progenitores, mãe diria, não sei se é auto-biográfico o texto, a nota no cabeçalho do titulo do blog, alerta para q ao ler não vejamos as experiencias vividas por ti...portanto a duvida permanece..

Beijinho
R.I.P.per disse…
belas metaforas,belo texto

ms eu ca sou a favor da poda (h)

Mensagens populares deste blogue

Carnaval de Vermes

Fotoshop, para quê? Continuas Feia por Dentro!

Em primeiro lugar, vou pedir desculpa a quem costuma passar por aqui. Quem o faz sabe que há atitudes que me revoltam e que por isso...Vou desabafar. Tenho andado super, super indignada com certas publicações no facebook de uma pessoa que conheci há muitos anos, tantos que até já me esqueci. Trago essa pessoa atravessada porque foi e é, não acredito em milagres, a pessoa mais ordinária que conheci e que, infelizmente, tive que lidar de muito, muito perto. Há um tempo atrás descobri uma página dela no facebook (se cometer algum erro  não se admirem, sou uma dessas excepções que nada percebe sobre o facebook) e daí para a frente as publicações e até as páginas (os nomes também vão mudando) têm mudado (faz-me lembrar aquelas pessoas que passam a vida a mudar de número de telemóvel, sempre que querem fugir de alguém mudam de número de telemóvel). Muda tudo mas, a frase de apresentação vai mantendo o mesmo sentido, mais coisa menos coisa, a última é:
Sou amante do Universo, da paz, do conh…