Avançar para o conteúdo principal

Deploráveis Modelos RSI

Acredito que, na maior parte das vezes, basta estender a mão a alguém para criar nessa pessoa um incentivo que poderá mudar-lhe a vida. No entanto, não estou de acordo com os subsídios, inclusive o de desemprego. Sou contra porque há muita gente que vive disso, não  produz e passa a querer, apenas, informar-se para poder usufruir de mais um. Conheço imensa gente assim desde agricultores a gente que vivia de esmolas e hoje vive de subsídios. Neste país subsidia-se tudo e todos e nós sabemos que é mais natural que se estejam a subsidiar chulos que gente necessitada. Há por aí muitos necessitados, pessoas habituadas a trabalhar que, por vergonha, porque não foram habituados a pedir, passam privações quando a desgraça lhes bate à porta. Outros, então, parecem ter nascido com o instinto para viver do esforço alheio e das facilidades que conseguem descobrir.
Nesta cidade havia uma família, com imensos filhos, que vivia das esmolas que os mesmos conseguiam, percorrendo portas de pastelarias, hipermercados e afins de mãos estendidas. Só aceitavam dinheiro. Comida? Nem pensar. Hoje fazem seguros para os "plasmas" que têm  em casa, deslocam-se num carrão, recebem chamadas em telemóveis de terceira geração, almoçam e jantam fora e vestem-se como verdadeiros turistas saídos de um cartaz promotor. Estaria tudo isto muito bem se esse dinheiro surgisse do trabalho mas,  vem de subsídios e a única labuta que têm é a de polir esquinas.
Recebem o rendimento social de inserção, o chamado RSI,  (em 2009 eram 385 mil beneficiários), vão almoçar e jantar à cozinha económica de Audi, passam pela cruz vermelha e saem com os  sacos carregados de alimentos, recebem subsídio para pagarem a renda da casa,  têm descontos na factura da luz e, claro, enquanto nós  estamos a produzir eles andam de café em café, de andar em andar do Centro Comercial, vivendo a vida, à grande e à francesa. É vê-los a tomar o pequeno almoço, a almoçar, a lanchar e a jantar fora. Agora, no verão, permanecem, horas a fio, de perna cruzada, nas esplanadas da cidade, todos aperaltados de telemóvel caríssimo debruçado sobre a mesa, a deliciarem-se com os euros que tanto nos custam a dar ao estado, em forma de impostos, rindo-se dos burros  que trabalham e fumando um Malboro. Só falta o portátil.
Imaginem-se, como eu, todos os dias a passar pela fila dos “necessitados” que aguardam  a chamada para a mesa da cozinha económica, comidinha quente, grátis e ver um deles, mais a sua cara metade, chegar de Audi. É verdade, dão-se ao luxo de chegarem de Audi. Leram bem, Audi.
Que fariam vocês se tivessem um Audi e não tivessem dinheiro para comer? Vendia-no até porque se não há dinheiro para comer muito menos haverá para pagar os gastos do carro e o combustível do mesmo. Pois é, isso faríamos nós, eles chegam em altos carrões para receber a comidinha na boca.
Que vidinha!
Contas  pagas.... vida fácil, de passeio e com uns chutos pelo meio.
Viva a miséria!
Isto já não é o que era. Antigamente os que aparentavam ser pobres eram-no mas, hoje, os que o são não o aparentam e os que querem sê-lo não têm vergonha em não o aparentarem. 
Estão confusos? Também eu. Confusa e indignada com tanta falta de vergonha.
(reparem na página da Segurança Social: Apenas têm acesso ao Rendimento Social de Inserção, os agregados familiares cujo valor total do património mobiliário (depósitos bancários, acções, certificados de aforro ou outros activos financeiros) de todos os elementos do agregado, seja inferior a € 100.612,80 no ano de 2010. ) 
Brown Eyes

Comentários

Fê-blue bird disse…
Amiga:
Como sempre pões o dedo na ferida... e que ferida :(
O meu filho fez voluntariado na Segurança Social exactamente no balcão da Reinserção Social, deves imaginar o que ele presenciou, e os insultos de que foi alvo (inclusive a ponto de chamaram a psp) só porque ele tinha a ousadia de pedir aos "necessitados" o extracto bancário necessário para dar andamento ao processo.
Mas vá lá alguém reclamar destas injustiças, somos logo apelidados de racistas e sujeitos até a ameaças.
Concluindo:
Vivemos num país perfeito, para chulos, ladrões e incompetentes.

PS:Obrigada uma vez mais por salientares no teu blogue o último miminho que te ofereci :) Tu mereces!!!

Beijinhos
Aria disse…
sem dúvida, disseste a grande verdade! não acho que acabar com os subsidios fosse solução, mas tinha que haver controlo VERDAdeiro de quem os recebe. porque há realmente quem precisa. e depois ha esses... Se houvesse um sistema informatico unico, era facil: a pessoa x, vai pagar o seguro do carro Y, quando recebe o subsidio Z? - assim podiam identificar as sanguessugas do sistema e acabar com as fraudes...
Brown Eyes disse…
Fê o mal dos portugueses é que em vez de apontarem o dedo a quem devem apontam aos mais débeis. Eu se o tiver que apontar mais depressa aponto aos mais fortes, sem dúvida. Imagino o que o teu filho passou e ouviu, ouve-se cada coisa. Nos breves minutos que passo por eles na rua ouço histórias do arco da velha. Há pessoas neste país que parece que querem obrigar quem trabalha a sustenta-los toda uma vida, só tenho pena que ninguém, com poder, os ponha a limpar as matas. A esses e aos prisioneiros. Esses são outros com boa vida. Nós não assumimos os nossos erros? Porque havemos de assumir os dessa gente toda que anda por aí a viver às custas de quem trabalha? Somos apelidados mas já me habituei. Calar-me e dizer ámen é que não.
Beijinhos Linda. Eu é que agradeço todo o carinho que me dás.
Brown Eyes disse…
Aria Linda que saudades tinha tuas! Estás bem? Feliz? Espero que tudo te esteja a correr como mereces.
Como dei a entender há realmente quem mereça mas, infelizmente, quem merece é muitas vezes quem não recebe.
Beijinho Grande, cheio de saudades
disse…
Brown Eyes,
Também conheço alguns casos como os que ilustraste num texto magnífico. E tenho vergonha deste povo, desta gente que deixou de ter o trabalho como objectivo e vive de expedientes criados por parasitas iguais aos que criadores.
Parabéns. Beijinhos. Bom fim de semana.
Caldeira
Pedrasnuas disse…
Já vi que aqui reservam-me grandes surpresas...não,ainda não estou de férias...mais 3 dias e ...respiro de alívio... mas a propósito de praia ...não sou fã ...gosto de ver os miúdos mas eu ...nem sei nadar...:(..voltarei para te ler e analisar...;)))) Muitos beijinhos e boa noite...e quanto às cidades grandes ...sou um pouco como tu...assustam-me e simultaneamente seduzem porque ninguém nos conhece ...permanecemos no anonimato...Mais uns beijinhos:)))
Brown Eyes disse…
Zé obrigada. Como é possível que um povo se orgulhe quando consegue um "furo", não é? Não consigo compreender. Quem se ama orgulha-se de conseguir demonstrar o seu valor nos actos que pratica diariamente, de entrar naquela competição saudável que nos faz crescer como seres humanos e nos desenvolve a inteligência. Ser parasita nada desenvolve, leva-nos apenas a adquiri manha e a ser inúteis.
Bom fim de semana, já não devo voltar antes da semana que vem.
Beijinhos
Brown Eyes disse…
Pedras mas o mais engraçado é permaneceres no anonimato vivendo numa terra pequena. Aprendi a consegui-lo e sabe-me lindamente. Conhecem-me mas não sabem quem sou. Ouvem dizer quem sou mas o que vêem e sentem nada tem a ver com isso portanto ficam confusos. Adoro quando perdem a vergonha e me querem tirar nabos do saco ou ainda quando não me vêem há muito e querem saber as novidades todas. Aprendi a viver com isso, a saber dar a volta à situação sem perder a minha privacidade. Dou muito valor à privacidade e à liberdade e consigo ser livre nesta pequena cidade onde a coisa que mais os preocupa é a vida privada. Enfim, mesmo assim gosto da segurança, diminuta já, que me provocam os aglomerados pequenos. Mas a minha paixão é o campo, a quinta onde a paz reina e onde os sons que ouço são os da natureza.
Beijinhos e bom fim de semana.
Mariana marciana disse…
Já dizia o sábio: "Dêem-lhe um peixe e alimentam-no por um dia, ensinei-no a pescar e terá alimento uma vida inteira"
Neste país há muito quem não goste de pescar mas aprecie os cheiro da dourada grelhada...
Pode ser que com o tempo as mentalidades se alterem e que quem quer produzir não se veja em tantas dificuldades como nestes tempos que correm
Beijinho grande ;)
Pedrasnuas disse…
Voltei Brown...pois é...há sempre uma verdade para nos trazeres...e olha que o teu blogue ganha com isso...quando quisermos saber o estado real da nação é passar por aqui...e tens toda a razão...subsídios sim mas atenção...estão a alimentar ladrões...a fazer crescer os chulos e a deixar passar os incompetentes...desta forma nunca mais vamos a lado nenhum...e isso é um facto que cresce a olhos vistos...já conheci uma situação dessas e fiquei parva... mas grassam muitas por aí...pudera...um país de ladrões ...ladrões...de verdadeiros "usurpistas" e tanto nos roubam os grandes como os pequenos...Uma calamidade e não vislumbro nenhum governo que ponha medidas nisto...enfim...

Muitos beijinhos e bom fim de semana
pinguim disse…
Às vezes custa ouvir as verdades, mas elas têm de ser ditas.
Manuela Freitas disse…
Olá querida amiga,
Nós temos por cá muito a denunciar, muita coisa que começou a mexer com a racionalidade, enfim somos mesmo um país de «chicos espertos», por cá… porque podemos ver de mais perto! Evidentemente que eu defendo os subsídios para quem os mereça e não como solução para gente que não quer trabalhar e não se integra na sociedade! Mas visto em diagonal, esta situação vai de um extremo ao outro…o que está lá cima leva com um «tacho», com carro, telemóvel, cartão de crédito…está a comer à nossa custa…e pouco ou nada faz para a evolução deste país…é um parasita de luxo, fica-nos muito caro…na ponta temos esses parasitas de que escreves! Os dois casos afrontam e de que maneira os que andam pelo meio a trabalhar para sustentar isto tudo!
Num caso…é preciso arranjar um tacho para aquele tipo…pela família…pelo partido…um jogo de conveniências…e a malta paga! No outro caso vai-se dando uns subsídios…acalma-se…pode evitar-se conflitos sociais…não há empregos…e a malta paga! Subsídio devia implicar trabalhos a bem da comunidade, isso sempre pensei…assim ficam com muito tempo livre…e como a esperteza é uma característica bem portuguesa…há tempo para entrar em negócios de droga, de prostituição, de armas…
Mary para te ser sincera a sociedade em que vivemos é para mim muito confusa e deixa-me sempre muito revoltada…eu penso em tudo que me rodeia…mas tento divergir para campos para mim mais estimulantes!
Beijinhos…benditos fins-de-semana! Rssssssss
Manuela
Brown Eyes disse…
Mariana há tanto tempo! As mentalidades só se modificarão quando quem agir assim for penalizado mas, hoje, quem é penalizado é quem trabalha. Um beijinho Grande e obrigada. Já andava com saudades tuas.
Brown Eyes disse…
Pedras sabes que a Brown não consegue estar calada. Já dizia o meu Pai: Tu não sabes viver. Não percebia, quando era nova, o que ele queria dizer mas, hoje, percebo. Realmente o que os outros chamam vida, viver, não sei mesmo. Tenho as minhas ideias bem ordenadas e nada me faz modificar a minha maneira de ser. Não consigo viver como essa multidão, pensando apenas em proveitos monetários. Para mim a vida é muito mais que isso. Ela ou é vivida à minha imagem ou então serei a mulher mais infeliz do mundo. Ser um pau mandado até no pensamento aniquilava-me. Aprendi desde pequenina a pensar por isso não sei andar subjugada ao "parecer bem", que é o mesmo que ao que todo o mundo faz. Eles adoram criticar pelas costas. Eu gosto de o fazer pela frente para as pessoas se poderem defender. Daí ter saído este post. Quem sabe haja alguém que me possa explicar este tipo de atitude de maneira que eu modifique a minha opinião. Ficam chocados com o que digo, paciência, quem sabe desperte a consciência das pessoas. Ainda acredito que as pessoas têm consciência e que algo lha despertem um dia.
Beijinhos Linda
Brown Eyes disse…
pinguim pois têm e a Brown se tivesse tempo teria muitas para dizer. Agora ando aqui com umas atravessadas sobre motoristas: onze motoristas? Já deves ter percebido a que me refiro. Pois é pinguim, quem critica tem que fazer muito melhor e este número, para mim que diariamente ando a pé, parece-me muito exagerado. Onze? Não chegariam dois? Para quem são?
Enfim, parece não haver quem consiga levar isto em linha recta.
Beijinhos
Brown Eyes disse…
Manu minha Querida por isso adoro estar na quinta e aqui, hoje estou cá, esqueço tudo, até que vivo em Portugal. Comecei o dia com uma voltinha a cavalo, imaginas o bem estar que dá?
Como te compreendo! Beijinhos. Obrigada
Pois sobre este seu post que dizer?
É tudo muito complicado...
Muito confuso...
Boa estadia na quinta.
Bj
Brown Eyes disse…
Irene neste momento já não estou na quinta. Os sacrifícios que fazemos para cumprirmos as nossas obrigações, não é? Para não vivermos às costas de uma sociedade mas, em contrapartida temos uma sociedade às nossas costas. Hoje é assim que as coisas funcionam.
Beijinhos
✿ chica disse…
Indignação justíssima.Ninguém pretende aceitar essas cisas diante dos olhos e nada ver sendo feito pra que termine...

beijos,chica
O chicoespertismo é característica ( ou será doença?) nacional, mas não podemos tomar a nuvem por Juno. Há injustiças na atribuição do RSI? Sem dúvida, mas compete ao Esatdo ser mais rigoroso.
Já quanto ao subsídio d desemprego não concordo consigo. Se fizessem como na Inglaterra da srª Thatcher talvez não houvesse abusos. Mas isto é um país de brandos costumes e, se não formos nós a contribuir para alterar este triste modo de vida, um dia acordamos sem quaisquer direitos.
Brown Eyes disse…
Chica há sempre quem se aproveite e neste país parece ser impossível travar essa gente. Beijinhos
Brown Eyes disse…
Carlos o problema é que até no subsídio de desmprego há chicos espertos. Conheci gente que trabalhava os 6 meses, antigamente hoje parece serem precisos mais que seis meses, no fim do tempo armavam uma para serem despedidos, para ficarem a receber o subsídio sem nada fazerem.
Sou a favor dos direitos adquiridos mas sou contra os aproveitadores e parece que o estado não consegue controlar e saber quem são os abusadores.
Pedrasnuas disse…
Mary, não tenho por hábito ser os comentários dos outros bloguistas...por acaso li o da nossa querida amiga Manuela e concordo com as palavras dela...somos duplamente comidos...não há um raio X que detecte a nossa figura...vai além de depenados...desmembrados...e minha querida Mary, era suposta que naquela versão transparecesse o meu lado feminino...ai...isso não vale, só os teus olhos viram-me masculina...:))))e outro pormenor...o rapazinho saltou mesmo!!!!;))))

Beijinhos
Briseis disse…
É mesmo de bradar aos céus... parece que quem tem competência para fazer alguma coisa anda a dormir e nós, pela inércia, compactuamos com isto...
Petra disse…
Olha fico tão fartinha dessa gentalha, desse vitimismo nojento, dessa chicoespertice que acaba por lixar quem realmente precisa de ajuda....
Era haver uma fiscalização apertada, e po-los todos a limpar as florestas, limpar as ruas, enfim fazer trabalho comunitário.
Gente parasita da sociedade....
Brown Eyes disse…
Pedras estamos mesmo a ser comidos vergonhosamente por gente que já nem vergonha tem, se tivesse pelo menos comportava-se humildemente na rua. Não acontece.
Mudando agora de conversa não me digas que fui a única que vi masculina? Falta de óculos mas ainda não ganhei para mudar de lentes. è que a essa gente dão-lhe tudo, até amostras de medicamentos, nós pagamos tudo e já nada sobra. Tiraram-nos tudo.
Saltou? Eu sou uma medricas sabias? Nunca saltaria. Como sou uma pessoa que fixa o que acontece aos outros não arrisco em nada que ponha a minha vida em risco. Pois é Pedras a Brown é Super cautelosa.
Beijinhos
Brown Eyes disse…
Briseis que podemos nós fazer? O quê? Se eu soubesse o que fazer fazia. Como diz a Petra começava por po-los a trabalhar, a limpar este país, diariamente, não era só 2 ou 3 dias por semana. Quem sabe assim começasse a procurar emprego. Há muita gente que não sabe o quanto eles estão a beneficiar enquanto outros que precisavam...Lembro-me de uma Mãe com um filho que tinha uma doença que o impedia de sair da cama a quem tiraram o subsídio, era uma pessoa que precisava e estes exemplos comem tudo que cheire a subsídio.
Beijinhos
Brown Eyes disse…
Briseis que podemos nós fazer? O quê? Se eu soubesse o que fazer fazia. Como diz a Petra começava por po-los a trabalhar, a limpar este país, diariamente, não era só 2 ou 3 dias por semana. Quem sabe assim começasse a procurar emprego. Há muita gente que não sabe o quanto eles estão a beneficiar enquanto outros que precisavam...Lembro-me de uma Mãe com um filho que tinha uma doença que o impedia de sair da cama a quem tiraram o subsídio, era uma pessoa que precisava e estes exemplos comem tudo que cheire a subsídio.
Beijinhos
Brown Eyes disse…
Petra exactamente. Quem sabe assim deixavam de querer viver às nossas custas. Hoje só beneficiam os malandros. Como tudo mudou. Antigamente era quem trabalhava que era admirado, hoje são os malandros que têm tudo a favor deles. Beijinhos
Pedrasnuas disse…
Muito obrigada pelas tuas palavras...mas o que prevês para mim é com certeza o que sucederá contigo...A imbatível Mary Brown...já pensaste numa série televisiva...imagino o êxito ...a sério...Beijinhos para a "rebelde"!!!;)
Brown Eyes disse…
Imbatível eu? Não, também não o queria ser, significaria que era perfeita e que já nada havia a aprender. Tento ser imbatível,pelo menos mostra-lo porque aprendi, desde garota, que se nos mostramos fracos há sempre alguém que nos queira pisar. Aprendi a sobreviver e mesmo sendo mulher nunca temi fazer nada sozinha, a minha força interior, física nem por isso, consegue vencer os obstáculos que a vida me tem colocado no caminho, com tempo, apesar de eu gostar que fosse de imediato. Rebelde? Digamos que sim e corajosa apesar de ter medo de dar um salto para a água. Há assim umas coisitas em mim que não percebo muito bem, ora vê: Tenho medo de saltar para a água mas não tenho medo de enfrentar alguém armado, compreendes?
Beijinhos Linda. AMANHÃ VOU DE FÉRIAS.

Mensagens populares deste blogue

Fotoshop, para quê? Continuas Feia por Dentro!

Em primeiro lugar, vou pedir desculpa a quem costuma passar por aqui. Quem o faz sabe que há atitudes que me revoltam e que por isso...Vou desabafar. Tenho andado super, super indignada com certas publicações no facebook de uma pessoa que conheci há muitos anos, tantos que até já me esqueci. Trago essa pessoa atravessada porque foi e é, não acredito em milagres, a pessoa mais ordinária que conheci e que, infelizmente, tive que lidar de muito, muito perto. Há um tempo atrás descobri uma página dela no facebook (se cometer algum erro  não se admirem, sou uma dessas excepções que nada percebe sobre o facebook) e daí para a frente as publicações e até as páginas (os nomes também vão mudando) têm mudado (faz-me lembrar aquelas pessoas que passam a vida a mudar de número de telemóvel, sempre que querem fugir de alguém mudam de número de telemóvel). Muda tudo mas, a frase de apresentação vai mantendo o mesmo sentido, mais coisa menos coisa, a última é:
Sou amante do Universo, da paz, do conh…

Carnaval de Vermes