Avançar para o conteúdo principal

A voz da droga


No país vizinho os gerentes dos hotéis, com piscina, andam preocupadíssimos e estão já a tomar medidas contra a nova moda juvenil:
Saltar da janela, ou varanda, para a piscina.
Já morreram muitos jovens e o miúdo de Lamego, Artur Pimentel,  que morreu ao cair de uma varanda, foi um deles.
Diria eu que morrer é uma sorte, imaginem que ficam paraplégicos? Será que eles põem essa hipótese? (A mim aterroriza-me mais esta situação que a morte.)
Onde chega a exibição depois de uns charros e uma bebedeira!
Não vou tecer mais comentários sobre o assunto, todos podemos chegar a conclusões com facilidade e sinceramente, perante tamanha loucura, nem sei o que dizer. Este post serve, apenas, para alertar os pais que, decerto, tomarão medidas e evitarão casos futuros. Hotel? Só com um piso.
Brown Eyes

Comentários

Anne disse…
olá Brown. :)

não penso que estas atitudes sejam derivadas de uns charros e uma bebedeira mas sim de uma total falta de consciência para as consequências dos seus actos. e isso é algo que uma bebedeira não tolda. aqui aplica-se um princípio muito básico. estes jovens nunca tiveram na sua vida alguém que os fizesse ver que todos os actos têm uma consequência, por vezes devastadora e que o seu egoísmo e infantilidade não podem nunca pôr em perigo o que há de mais sagrado. a vida. a deles e as do que os rodeiam.
um beijo grande.
Brown Eyes disse…
Anne que saudades tinha de ti e dos teus comentários, sempre com grande profundidade. Eu não consigo explicar estas atitudes porque um ser racional tem raciocínio que lhe serve precisamente para encontrar os prós e contras de determinada atitude. Assim sendo não tenho explicação para coisas destas. Eu também passei pela adolescência e não me lembro de ter tido atitudes impensáveis só pelo prazer do momento. Sabia que havia consequências e elas viriam. Como não sei quais as sensações que a droga provoca só as explico através dela. Estou de acordo contigo quando dizes: estes jovens nunca tiveram na sua vida alguém que os fizesse ver que todos os actos têm uma consequência, por vezes devastadora e que o seu egoísmo e infantilidade não podem nunca pôr em perigo o que há de mais sagrado. a vida. a deles e as do que os rodeiam. Beijinho e obrigada
Inês disse…
Por acaso também fiz um post sobre o balconing.
A adrenalina da bebedeira e/ou da droga juntamente com a estupidez são tais que esse pormenores lhes passam ao lado.
Mary Jane disse…
Compreendo-te e concordo contigo em grande medida, mas eu que nunca fui mãe, achon que o papel dos pais também poderá ser dificil. Nunca podem controlar todos os passos dos filhos e creio que mesmo educando da melhor maneira não se previnem todos os erros destes.
disse…
Brown Eyes,
Muito actual e mais pertinente ainda, este alerta.
Quando eu era jovem também cometi alguns excessos, como era vulgar com toda a gente da minha geração, mas havia uma diferença substancial: Cada "loucura" acarretava a respectiva consequência que era facturada ao próprio.
Entrar nesta onda de desafio ao perigo parece-me não ser só aventura é mais um confronto permanente com a morte. A morte é sempre triste mas, quando se morre jovem a tristeza aumenta exponencialmente. É pena que isto aconteça e, tenho para mim, que está por estudar este tipo de fenómeno. Bem observado e para reflectir.
Beijinho
Caldeira
Anne disse…
Mary Jane, o papel dos pais, qualquer pai, é sempre difícil. nunca podemos vigiar todos os passos dos nossos filhos mas podemos e devemos dar-lhes o conhecimento que lhes permita lidar com os obstáculos e situações da vida.os meus pais sempre trabalharam muito, muitas horas e fora de casa. isso não os impediu de me dar toda a formação de que precisei.
isto é, sem dúvida, na maioria das vezes culpa dos pais que não impuseram limites.
o dinheiro e as coisas materiais não podem substituir o carinho e palavras dos pais.
dão a desculpa que é do excesso de trabalho, mas não se coíbem de encher os miúdos com telemóveis de marca, roupa de marca, carta e carro aos 18 sem haver sequer um compromisso por parte desses jovens. que só querem receber o que desejam sem dar nada em troca. não dão valor ao dinheiro nem à própria vida. se o fizessem não tinham estas atitudes degradantes.


Brown, tnh andado um pouco distante daqui mas é só um tempo. eu volto, como sempre faço... =D
caminhante disse…
lembro-me da minha viagem de finalistas. lembro-me de um dos meus colegas alcoolizado. sempre alcoolizado. lembro-me de estar sempre de olho nele porque a sua actividade favorita era colocar-se no meio da via rápida, de braços abertos, a olhar para cima. uma semana nisto: fazer de ama de um gandulo com idade suficiente para ter juízo.

isto foi há 20 anos.

[a parvoíce, essa... é mantém-se]
Manuela Freitas disse…
Brown Eyes,
De facto esta situação é impressionante, possivelmente há drogas, há alcool, há a euforia da liberdade, há o desafio do parceiro ao lado, há o querer gozar ao máximo, há não pensar em nada a não ser no momento em que se vive. Obviamente que também há o beneplácito dos pais para satisfazer todas as vontades e caprichos e implicitamente pouca consciência de responsabilidades.
Problema complexo, realmente!
Beijinhos,
Manú
Brown Eyes disse…
Inês não sabia como se chamava este fenomeno sei apenas que não consigo compreende-lo e por isso não consigo explicá-lo. Alguém que se droga hoje em dia, depois de toda a informação que existe, depois de ter visto tantas vidas destruídas já é para mim díficil de compreender imagina como será alguém que se exibe ao ponto de arriscar a vida ou, até, ficar inutilizado. Há aqui uma má formação enorme, disso não tenho dúvidas, que para mim dava direito a internamento num manicómio. Nada justifica uma acto assim.
Beijinhos
meldevespas disse…
A juventude desde sempre tem sido mais que um numero num cartao, um estado de espirito de uma efervescencia brutal. Ha a tendencia para uma pessoa se considerar a melhor do mundo, e ate considerar uma especie de imortalidade. Ao longo de geraçoes a juventude tem criado rebelioes, e parido conceitos, anarquicos ou nao, que vao deixando marcas no futuro de cada um. Chegando a esta geraçao, que sao os nossos filhos, que sao os meus filhos, temo sinceramente por um agravamento de todos os sintomas. Existe um acesso tao aberto, rapido a tudo e mais alguma coisa, existe um cansaço tao precoce em relaçao ``a catadupa de novas experiencias, que o cerebro esta a regredir em detrimento da razao, a uma velocidade demasiado grande. Como pode uma pessoa com 16 ou 17 anos ser incosciente ao ponto de achar que a adrenalina de um salto no escuro pode suplantar a vida ela propria com dias bons, dias maus, dias aborrecidos, dias trabalhosos, dias de ferias, etc.? Como pode esse miudo chegar a essa idade e nao pesar o facto de nao estar sozinho no mundo, como pode nao pensar um segundo sequer que o dia de amanha pode ja n existir, ou existir num limbo que fara dele uma planta que nem sequer um tiro nos cornos vai conseguir dar. Onde nos leva a chamada evoluçao da especie? Se calhar estou a estrepolar muito, mas sou mae, e tenho medo, mesmo com muitos avisos, mesmo com muito acompanhamento, mesmo com muito amor e palavras. Tenho medo, porque h´´a um segundo em que a impotencia nos vence.
Fê-blue bird disse…
Amiga:
Tenho dois filhos jovens que felizmente nunca se meteram nestas confusões.
Primeiro porque eles nunca vão para sítios sem eu saber bem, com quem vão, como vão e para que vão.
Acho, além de outras falhas, que é a falta de auto-estima que leva muitos jovens a "copiar" comportamentos destes. O desejo de ser aceite, a irresponsabilidade, as drogas e a bebida só pode infelizmente ter um desfecho destes.
Penso nos pais e o meu coração fica apertado.
Este assunto dava pano para mangas de tão complexo que é.

Beijinhos e boa semana.
Brown Eyes disse…
Mary Jane a Anne já explicou que não é difícil mas é preciso querer sê-lo e saber-se que depois de o ser há muitos sacrifícios a fazer. Não é a mesma coisa que ter um cão e um gato e estes são abandonados quando começam a criar problemas ou a obrigar a sacrifícios. Filhos não são bonecos e claro tem que se saber que o presente aqui tem consequências futuras. Pensa-se pouco nisso e por isso não se reflecte sobre uma atitude. Dar, como diz a Anne, não substitui nada e leva a pensarem que tudo é fácil, não é. Fazer assumir as consequências de uma atitude é essencial para eles começarem a pensar antes de agir. Lógico que na educação dos jovens há muitas interferências, a dos avós, por exemplo, que não podem estragar a educação que os pais dão. Concordo plenamente com tudo que a Anne disse e há que ensinar a ganhar as coisas não a recebe-las de mão beijada. Beijinhos e obrigada
Brown Eyes disse…
Zé antigamente sofriamos as consequências do que faziamos e, quantas vezes, do que não faziamos, a mim aconteceu-me muitas vezes. Hoje não há consequências e como os exemplos vêm de cima o resultado é este. Será que estes miúdos pensam que a morte também é virtual? Como hoje tudo é virtual!!! Beijinhos e obrigada
Brown Eyes disse…
Anne os pais têm culpa, claro que sim mas, não são os únicos. Esta sociedade é a culpada quis proteger os jovens e esqueceu-se das consequências de tanta protecção e tanta liberdade. A correria ao consumo acabou com pais e filhos. Há tanta coisa errada, tanta que levariamos horas a falar nelas mas, tal como tu, penso que estas são a base desta desordem mental.
Beijinho grande
Brown Eyes disse…
caminhante vi atitudes dessas em Espanha durante os fins de semana e por incrível que pareça as protagonistas eram mulheres. Comecei lá a aperceber-me do caminho que esta juventude anda a percorrer. Os famosos botelhões são um problema grave naquele país, tão grave que já foram proibidos em algumas zonas. É tão bom curtir, claro que sim, curtir a natureza, os amigos, a familia, a vida mas para isso precisamos de pisar o risco, andar bebados, drogados e desrespeitar as pessoas? Não. Obrigada e Beijinho grande
Brown Eyes disse…
Manuela muito complexo sobre o qual a sociedade se devia debruçar, sobre o caminho da juventude actual. Analisar os jovens do passado e do presente e talvez concluissem que a liberdade provocou a queda, vertiginosa, dos futuros homens. Afinal, se continua assim, poucos lá chegarão. Mais grave ainda é eles, esses jovens, julgarem-se donos da verdade, não se apercebendo que é a idade que traz a razão e por isso há que ouvir os mais velhos, os seus conselhos.
Beijinhos e obrigada
Brown Eyes disse…
Mel a tua preocupação é a minha assim como as tuas interrogações e eu acho que estamos mesmo a regredir, estamos mais dependes do que nunca, menos racionais e mais problemáticos. Há que ter medo mesmo porque por mais que estejamos presentes na vida dos nossos filhos eles sofrem sempre a influência do mundo que os rodeia e se não forem fortes, se forem influênciáveis acabarão por seguir o caminho errado. Engraçado que não é por falta de informação, têm-na à mão, coisa que não acontecia connosco. Eu só vi pela primeira vez televisão tinha dez anos. Quanto mais informação pior é o raciocinio? Será?
Beijinho e obrigada
Lady Me disse…
Eles simplesmente não pensam. Isto é uma tremenda falta de consciência!!!
Brown Eyes disse…
OD pois é, não pensam mas será que os pais imaginam o que os pode esperar? Beijinhos
Brown Eyes disse…
Lady Me total falta de consciência e de responsabilidade. Beijinhos e obrigada
Pedrasnuas disse…
ESTES JOVENS DESAFIAM A VIDA...E POR CONSEGUINTE DESAFIAM A MORTE...EU COMPREENDO QUE ENVEREDEM POR ESTAS BRINCADEIRAS LOUCAS QUANDO ESTÃO EM SEIOS FAMILIARES COM GRANDES CARÊNCIAS AFECTIVAS...POR ISSO NADA IMPORTA...ANDAMOS SEMPRE A RESPONSABILIZAER QUEM NÃO DEVEMOS E ENQUANTO DISSERMOS QUE ESTA JUVENTUDE ESTÁ PERDIDA,É IRRESPONSÁVEL...ETC.ETC...ESTE TIPO DE ATITUDES NÃO MUDA...CADA VEZ MAIS OS PAIS DESTITUEM-SE DA SUA FUNÇÃO E DELEGAM TUDO ÀS ESCOLAS E ISSO ESTÁ ERRADO.

BEIJINHOS SENTIDOS
Brown Eyes disse…
Pedras este tema tem muitos responsáveis, tu sabes disso, os pais são uns deles. Não te esqueças que as crianças estão cada vez menos fechadas dentro de casa, a mãe trabalha, etc. Dizes que os pais delegam tudo às escolas e as escolas delegam em quem? É que estas também têm responsabilidades já que têm que educar enquanto a criança está lá e está lá mais tempo do que está em casa acordada, não é? Pedras compreendo o que queres dizer e tal como tu eu também acho que os pais são culpados mas, não são os únicos. Analisando esta sociedade de consumo que incutiu várias ideias erradas nas pessoas, que acabaram por destruir o seio familiar, concluiremos que foi ela a maior culpada assim como a noção de liberdade que foi apreendida. Há diferença entre liberdade e libertinagem e as pessoas não conseguem fazer essa distinção. Pedras onde está o exemplo? Nem o governante deste país o dá, onde queres que as pessoas o vão buscar? Há tanto que dizer sobre o assunto,um dia talvez aborde este tema a fundo tocando e explicando todos os pontos que acho importantes. Beijinhos e obrigada.

p.s. cá para nós pertences à educação, não é?
JPD disse…
Desafiar a sorte desta maneira chega a ser incompreensível.
Para quê rebentar com as férias e encher de tristeza amigos e familiares?
Bjs
Brown Eyes disse…
JPD para quê estragar o que tem tudo para ser bom, não é? Significa não se saber aproveitar as oportunidades que se têm. Que pai pode confiar num filho assim e voltar a dar-lhe liberdade ao ponto de passar umas férias com os amigos? Beijinhos e obrigada
Pedrasnuas disse…
FIZESTE-ME RIR BROWN....;)))
BEIJOS

UM TEMA CERTAMENTE POLÉMICO E QUE NÃO PODE E NÃO DEVE DEIXAR NINGUÉM INDIFERENTE...OS PAIS DELEGAM À ESCOLA E ESTA POR SUA VEZ...COM TANTA BUROCRACIA ....É COMPLICADO...NEM PODE SE OCUPAR DA EDUCAÇÃO DOS GAROTOS...NÃO PODE...A FORMAÇÃO SIM,A EDUCAÇÃO NÃO...
ONDE ANDA O TRIBUNAL DE MENORES? É PARA ELE QUE SE REMETEM OS CASOS BICUDOS...MAS...ESTES NUNCA SÃO RESOLVIDOS E ENQUANTO ISSO CONTINUAM JOVENS NA ESCOLA A SE PERDEREM E A CONDUZIREM OUTRAS MENTES MENOS SEGURAS PELO MESMO ATALHO...
MARY BROWN
:))))NÓS AS DUAS ...FAZEMOS DEBATE!!!
Brown Eyes disse…
Tocaste dois pontos importantes:
- a burocracia que há nas escolas.
Os professores hoje perdem muito tempo com papelada e claro acabam exaustos e com pouco tempo para se dedicarem a ensinar e a educar. Mas a ministra acha que deu um passo em frente, que fazer?
- ...ENQUANTO ISSO CONTINUAM JOVENS NA ESCOLA A SE PERDEREM E A CONDUZIREM OUTRAS MENTES MENOS SEGURAS PELO MESMO ATALHO...
A escolaridade obrigatória leva a que permaneçam na escola miúdos sem interesse e que se dedicam a desencaminhar os outros miúdos, principalmente os mais fracos. Agora parece que vai ser obrigatória até aos 18 anos, imagina! Se não quis fazer nada antes, se andou a brincar que fará até aos 18? Desencaminhar inocentes. Agora até os juntam todos para os miúdos começarem a ser instruídos mais cedo pelos mais velhos. Há educação que resista? Se um pai quiser pôr um miúdo a trabalhar, como castigo, como se fazia antigamente, que até dava resultados, no ano seguinte agarravam-se com unhas e dentes ao estudo, não pode. Como educar com tantos impedimentos? Pedras adoro debater contigo. Beijinho grande
MZ disse…
Arrepia-me...
É muito difícil ser "pai/mãe" mas olha, Mary B. que ser "filho" não o será mais fácil.
Os perigos, espreitam por todo o lado, a tentação da oferta da felicidade fácil em tempos difíceis, apresenta-se num estalar de dedos. Hoje mais que nunca.
Este tipo de diversão só pode ser com ajuda de álcool e outras coisas.


beijinhos
Brown Eyes disse…
MZ e no nosso tempo era? Eles pelo menos têm informação que nós não tínhamos mas parece que não a aproveitam para se dirigirem.Pena que se deixem perder com tanta facilidade. Beijinhos
Gingerbread Girl disse…
Isso foi falta de estaladas na idade certa.

Mensagens populares deste blogue

Carnaval de Vermes

Fotoshop, para quê? Continuas Feia por Dentro!

Em primeiro lugar, vou pedir desculpa a quem costuma passar por aqui. Quem o faz sabe que há atitudes que me revoltam e que por isso...Vou desabafar. Tenho andado super, super indignada com certas publicações no facebook de uma pessoa que conheci há muitos anos, tantos que até já me esqueci. Trago essa pessoa atravessada porque foi e é, não acredito em milagres, a pessoa mais ordinária que conheci e que, infelizmente, tive que lidar de muito, muito perto. Há um tempo atrás descobri uma página dela no facebook (se cometer algum erro  não se admirem, sou uma dessas excepções que nada percebe sobre o facebook) e daí para a frente as publicações e até as páginas (os nomes também vão mudando) têm mudado (faz-me lembrar aquelas pessoas que passam a vida a mudar de número de telemóvel, sempre que querem fugir de alguém mudam de número de telemóvel). Muda tudo mas, a frase de apresentação vai mantendo o mesmo sentido, mais coisa menos coisa, a última é:
Sou amante do Universo, da paz, do conh…