Avançar para o conteúdo principal

Saramago e as Pedras


Todo o ser humano tem liberdade de opinião e de expressão, art.º. 19º. da declaração universal dos direitos do Homem, assim sendo, todos temos direito a não sermos incomodados nem difamados por usufruirmos dele.
Saramago, escritor, autodidacta, recebeu o prémio Camões e o prémio Nobel da literatura, único português a recebe-lo, grande pensador, alguém com uma visão própria do que o rodeia, da realidade que o envolve, que não se restringe a reproduzir, criando, alguém “que se limita a levantar uma pedra e a pôr à vista o que está por baixo, não tendo culpa se, de vez em quando lhe saem monstros”, como ele próprio refere, tem direito à sua opinião e a exprimi-la, como qualquer simples mortal. Ninguém tem dúvidas acerca da existência de monstros, todos sabemos que estes habitam nas catacumbas, lugar onde nem sempre estamos dispostos a descer.
Não posso emitir opiniões negativas sobre alguém porque tenho, na prateleira, lá de casa, uns livros dele, que nunca li mas, dos quais, não gosto da encadernação, sobre os quais alguém resolveu afirmar que são improfícuos. No entanto, os seus livros, são facilmente vendáveis.
Não posso emitir opiniões negativas sobre alguém só porque é octogenário, porque cria polémica, mexe com as mentes, critica o sistema democrático, que ninguém discute, porque afirma que temos um cérebro demasiado disciplinado, que pensa só o que é preciso pensar e que nos permitem pensar, que nos diz que se não conseguirmos viver inteiramente como pessoas, pelo menos, que não vivamos inteiramente como animais. Alguém que lembra que as palavras com facilidade mudam de opinião, como as pessoas, que a morte mata muito menos que o Homem, que se contam muitas histórias sobre Deus e a morte e, que, o sonho é tão real como o corpo que o sonha.
Não posso emitir opiniões negativas sobre alguém quando não sei, sequer, analisar se há veracidade nas suas afirmações. Quem já se preocupou em ler a Bíblia? Quem já se preocupou em analisar o poder e o império do Vaticano? Como pode então alguém duvidar que a verdade seja ofendida, todos os dias, por supostos representantes de Deus? Quem pode então duvidar que eles só tenham interesse no poder, não na salvação da nossa alma e sim no controle do nosso corpo? Como posso eu duvidar que Deus continue a descansar se permite que, em seu nome, se gastem milhões na construção de templos, qualquer lugar serve para se orar, enquanto morrem milhares de crianças? Como se pode duvidar que a bíblia seja um manual de maus costumes, um catálogo de crueldade e do pior da natureza humana se nunca o lemos? Como se pode então duvidar de quem a lê perde a fé? Como se pode então acreditar que a verdade está naquele que diz, o teólogo, que a leitura de Saramago é ingénua, ideológica e manipuladora?
O conhecimento não é estanque, nem a verdade é inquestionável. Todo aquele que disser algo e conseguir prova-lo nunca poderá ser dado como louco. Lembrem-se de Galileu que defendeu o heliocentrismo numa época em que se acreditava no geocentrismo, cegamente.
Saramago é um vigilante que encontrou na palavra a arma, para lutar contra a injustiça, ignorância e poder. Alguém que procura a verdade através da análise, da observação da experiência vivida, modificando o conhecimento manipulado à nascença.
Já fui católica praticante. Andei algum tempo levada pela multidão até que um dia…um dia parei para pensar. Afinal que me adiantava pertencer a uma religião que eu reconhecia envolta em pecado, em egoísmo e em mentira?
Não querendo de maneira nenhuma encontrar uma verdade facilmente abalável, dediquei-me à leitura da bíblia. Li a bíblia utilizada pela religião católica, pelos testemunhas de Jeová e o Livro do Mórmon, uma das quatro obras padrão da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, igreja Mórmon, uma religião cristã restauracionista.
Facilmente perdi a fé, facilmente conclui que tinha sido enganada, que o que me foi ensinado não tinha base bíblica, alguns exemplo disso são as imagens existentes nas igrejas, os templos, o negócio dentro deles e, o pagamento da bula. Se tivesse que seguir uma religião não seria a católica porque, a mesma, é a que faz uma leitura unilateral da bíblia, baseando-se mais no velho testamento, relação entre Deus e o Povo Israelita, esquecendo, por conveniência, parte do novo testamento, escrita após o nascimento de Cristo.
Tenho crenças, todos as temos, convicções baseadas nos poucos conhecimentos adquiridos. Acredito que o Homem nasce bom, que a sociedade o corrompe, Jacques Rousseau defendeu-o, que a conveniência, a vontade de seguir a facilidade, o egoísmo, o poder o corrói transformando-o em vingativo, oportunista, vigarista e interesseiro.
Um dia, numa entrevista um jornalista perguntou a Saramago:
Como podem homens sem Deus serem tão bons?
Saramago respondeu:
Como podem homens com Deus serem tão maus?
Estas questões servem apenas para concluirmos que não é Deus que distribui a bondade, que não é Deus que nos permite respeitar o próximo, as suas ideias, as suas convicções, que não é Deus que nos dá ou tira valor, que não é Deus que nos dá ou tira a capacidade de análise. Com ou sem Deus seremos aquilo que procurarmos ser.

Brown Eyes


Comentários

Brown eyes eu também nunca li nenhuma obra dele, já tentei uma vez, mas ou tive azar na minha escolha, ou talvez fosse muito imatura, acabei por a abandonar. Mas acho que o senhor independentemente de ser ou não bom escritor, tem direito á sua opinião, assim como nós temos direito á nossa. bejijinhos

P.S. mais um texto maravilhoso teu
Gingerbread Girl disse…
Sabes... comecei a ler este texto meio a medo. Tinha receio que também tu lhe atirasses uma pedra. Mas não o fizeste.
Eu estou do lado de Saramago... como estaria de qualquer pessoa que tivesse dito o que ele disse.
E preciso não esquecer que todas as religiões foram feitas com intenções positivas... mas essas intenções perdem-se pelo caminho.
Também como tu, perdi a fé... há já muitos anos. Mas cheguei a ler partes da bíblia.
Sempre achei o deus da bíblia completamente assustador.
Um deus que ama... mas que condena... que tudo perdoa, mas que atira com as almas para as chamas do inferno...
Ãh?!?
Se a sua misericórdia é infinita... há um inferno para quê?
Lembro-me de ter uns cinco anos, e numa aula de catequese, a catequista ter descrito o inferno e inclusive ter mostrado umas gravuras. Fiquei aterrorizada durante semanas!!
Um manual de maus costumes? Nem sempre... mas muitas vezes, sim.


Beijinhos*
Mulher a 1000/h disse…
Ui, Ui... que andas para aqui a meter a mão em assuntos muito "quentes"! LOL A verdade é que sou suspeita e despreparada para responder, comentar ou analisar este Post. Por vários motivos, mais do que um... primeiro, ao contrário da grande maioria dos estudantes de Letras, não sou fã do escritor, da pessoa ou da obra. Segundo, ainda não li o livro e terceiro porque como tu tão bem dizes: "cada um tem direito à sua opinião", ainda que seja em relação a assuntos fervorosos como a religião e a fé em Deus e no Livro Sagrado! Ainda assim é um texto que pode gerar muita discussão, este teu... Daí, os meus parabéns! ;)
johnny disse…
Sim. Concordo, mas há que ter tacto e mais do que não ter, o Saramago demonstrou que até gostou deste despique e que se alimentou destas discussões para se fazer de vítima. A questão, na minha forma de ver a coisa (e este preâmbulo de dizer: "na minha opinião" ou "eu acho" é que faltou a Saramago) é a de saber se ele respeitou e se teve em consideração as pessoas que acreditam ou têm fé. Eu até posso pensar como ele ou discordar, mas há formas e formas de dizer as coisas.

A bíblia é muitas coisas para muitas pessoas e cabe a cada uma interpretá-la... Acho!
Brown Eyes disse…
Bela tenta novamente, tenta uma obra mais pequena. Se calhar Caim será um bom começo. Se conheces esta história da biblia poderás confrontar as duas versões. Mas o que pretendo com este post é lembrar as pessoas que não se pode ser contra algo sem conhecer bem a matéria e que todos nós temos direito a ter opinião. Mal de nós quando não a temos ou a escondemos. Beijinhos
Brown Eyes disse…
Ginger conhecendo-me como me conheces sabes que nunca atirarei pedras a pessoas corajosas, que são capazes de lutar pelas suas ideias e sabem defende-las. Que é o que faz Saramago. Não é como certas pessoas que não gostam porque não gostam. O Porquê não o conhecem. Explicas-te porque estás a favor de Saramago e o que te horroriza na religião católica. Claro que, como dizes e bem, a bíblia não é totalmente um manual de maus costumes mas quase. Também é certo que ela não é totalmente seguida pelo Vaticano, se o fosse não teríamos imagens nas igrejas e muito menos nos ajoelharíamos a elas. Vivi, algum tempo num lar, sei como são aplicadas as virtudes e como é interpretada a bíblia. Eu seguiria uma religião completamente de costas viradas para o materialismo mas, até hoje, não a encontrei. O ser Humano é a única coisa que deve ter importância e é o que cada vez menos importância tem.
Brown Eyes disse…
Sílvia a discussão traz luz e é o que pretendo. Ninguém deve temer uma discussão saudável. Sou a primeira a dizer que não me considero e não sou dona da verdade. Ao expor a minha opinião é precisamente o que demonstro. Havendo comentários abertos manifesto que estou receptiva a outras opiniões. Escrevi este post porque me tem andado a fazer impressão a maneira como as pessoas atacam Saramago. Tenho passado em alguns blogs onde simplesmente se diz que não se gosta porque não se gosta, porque ele é um octogenário, rezingão que não sabe o que diz. E não há ninguém que, nos comentários, questione o bloguista, pelo contrário, vincam a ideia e acabam dizendo: se não gostas então já não vou ler Caim. Mas o bloguista nem sequer leu Caim. Acreditas? Pois é verdade. Cada vez gosto mais dos meus queridos seguidores. Têm opinião que é o que eu pretendo. Aprender com eles não que eles sigam, cegamente, as minhas ideias. Tentei dar a minha opinião, neste post, sem ofender. Aliás sou contra as ofensas, venham elas de onde vierem.
Saramago diz, a determinada altura, em Caim, que Deus é um Filho da p…Sou contra faltas de respeito. Não precisamos, nunca, de vulgarizar o nosso discurso. Ele acabou por concordar que se excedeu mas, o que é certo, é que o fez. Importante é que não sigamos sem saber porque o fazemos, saibamos ouvir, saibamos analisar e descobrir a estrada que nos levará ao destino que escolhemos, seja ele qual for o assunto.
Brown Eyes disse…
johnny concordo contigo. Nas respostas que dei ao comentário da Sílvia digo precisamente isso: não é preciso ofendermos ninguém para expormos as nossas ideias, ideias que devem ser baseadas em conhecimento próprio, não em conhecimentos alheios.
Obrigado pela tua visita e pela tua opinião. Serás sempre bem-vindo neste blog mesmo que não concordes com o que aqui é dito.
Pedrasnuas disse…
LI ,COMPREENDI,GOSTEI E APLAUDO!!!
Brown Eyes disse…
Pedrasnuas obrigada pela tua visita e pelo comentário. Retribuirei a visita para conhecer o teu cantinho. BJS
meldevespas disse…
Já que falamos de vozes discordantes....
O Saramago tem todo o direito de dizer o que lhe vai na cabeça, o Saramago e todos nós, porque só o facto de ser escritor e ter ganho um Nóbel, não lhe dá a ele direitos a mais do que a qualquer um de nós comuns mortais. Certo é que o Saramago mostrou que dizer o que lhe dá na gana ao mesmo tempo que lança mais um livro, também é bom para as vendas, e muito dirão ah e tal o Sr. nãp precisa disso! Se não precisa parece! Porque existem formas de diozer as coisas e ele quanto a mim utilizou a mais correcta, com isto quero eu dizer que, se eu ouvisse algum dos meus filhos referir-se a alguém, quem quer que fosse de uma forma tão azeda, imediatamente lhe diria que estavam a ser malcriados, e que deveremos pensar as palavras antes de as proferirmos, porque fora de ´nós mesmos existe uma multidão, e essa multidão, todos os outros fora de nós tb tem crenças, ou não também opiniões ou não, sobre este ou aquele assunto. Da mesma forma que me senti perplexa ao ouvir o Alberto João dizer aos jornalistas e dos jornalistas "fuck them" também estas declarações do Saramago me pareceram a pisar o risco.
E sim, eu sou católica, e estas coisas da fé constroem-se dentro de cada um, e a minha experiência não é de perda, mas apenas e só de ganho. E atenção, sou miope, mas não sou cega, tenho bem consciência de tudo o que me rodeia, dos podres e etcs e etcs, não me escondo deles, não me escondo neles, apenas aprendi a caminhar nessa fé e faço de cada dia mais uma etapa, sem culpas e sem medos.
Beijos
Olhos Dourados disse…
Provavelmente a parte que leste foi a do antigo testamento, O tora do Judeus, se não estou em erro.
umbreveolhar disse…
Li com toda a atenção o teu texto que aborda a polémica que se sabe sobre o livro de Caím de um dos meus escritor preferidos, José Saramago.
A sua idade, o seu intelecto e grande conhecimento sobre Bbilia, são de tal forrma fortes que os que pretenderam desmeti-lo não tiveram capacidade para isso...
Pois os factos não podem ser desmentidos.
É um grade Homem que eu admiro muito e lamento a polémica que fizeram sobre isso.
Como já te apercebeste, estou de acordo con o texto e fiquei feliz por ver a tua opinião.
Cumprimentos,
Carlos Alberto borges

http://umbreveolhar.blogs.sapo.pt
Brown Eyes disse…
Mel sabes que pensei em ti quando escrevi este post? Pois é. Sabia que eras católica e não queria ofender-te nem a ti nem a nenhum católico. Penso que não o fiz, apesar de ter deixado a minha opinião sobre a religião católica, em particular. Mel a maneira como ele fala deve-se a vida que ele teve, uma maneira seca de se exprimir. Sabes que ele tirou apenas um curso técnico porque os pais não tinham possibilidades? O passado acaba por marcar as pessoas, quer elas queiram quer não. Essa maneira seca pode parecer falta de educação. Também já referi aqui nos comentários que para se estar contra não é necessário ofender. Mas acredito que concordes com muita coisa que aqui foi mencionada. Achas que para se ajudar quem necessita, fim de todas as religiões, pelo menos devia ser, é necessário tanto luxo? O dinheiro que se gasta nesse luxo não seria mais bem empregue a dar de comer aos famintos? Cada um tem a sua fé e é essa fé que nos dá a força que necessitamos para enfrentar o dia a dia.
Beijinho e obrigada.
Brown Eyes disse…
Olhos Dourados
Torá ou Pentateuco, os cinco primeiros livros da Bíblia. Mas eu não li apenas estes, li-os todos.
BJS
Brown Eyes disse…
umbreveolhar Obrigado pelo teu comentário. A idade e a vida dá-nos uma visão diferente das coisas. Se tivermos uma vida fácil, que não foi o caso dele, não nos debruçamos sobre o mundo, sobre os problemas que nos rodeiam. Ele é um Homem atento.
BJS
meldevespas disse…
Mary B., claro que concordo contigo em muitos aspectos, já disse e repito, n sou cega, questiono, exijo respostas, aponto o dedo, julgo. E atenção que não quero dar uma de donzela ofendida na sua honra, muito longe disso, sei muito bem encaixar uma critica, ainda que não goste, aliás encaro-as sempre como um desafio. Vivemos em democracia (mesmo que seja uma democracia à la Orwell, pelo menos lá em casa é eheh)e emitir as nossas opiniões é um direito adquirido, mas o facto de existir este "todos a afinar pelo mesmo diapasão", que o Saramago coitado teve uma vida dificil e por isso pode ser rude, e o Saramgao é integro e inteligente e isto e aquilo, também tem um quê de seguidismo fanático.
E olha que eu até sou uma católica muito sui-generis, mas disso falaremos noutra ocasião, e mais, comungo de algumas das ideias do Saramago, no entanto pisar os outros, mesmo que com palavras, nunca foi a minha praia. No escuses at all.
Gingerbread Girl disse…
Oh Mel... ele também na pisou e talE... só disse que a Bíblia é um manual de maus costumes... =p quer dizer... não usou palavrões e assim. Calculo que em casa os use. =|

Opá... eu curto o espalhafato que estas coisas causam! =D ...Para animar as hostes e assim. O país tá em estado comatoso, carago.


*
Brown Eyes disse…
Todos gostaríamos que essa democracia à Orwell fosse só lá em casa mas, infelizmente, estende-se por muitas casas portuguesas, nem todas claro, temos que exceptuar aquelas que pertencem ao poder, que pelos vistos já não são tão poucas como isso. Neste país parece que os poderosos crescem como ervas daninhas. Não há insecticida que os destrua e, estamos em crise, imagina se não estivéssemos. Falando agora de Saramago. Como dizes não se podem arranjar desculpas para a falta de respeito e educação mas analisando o todo, neste caso o todo Saramago, além de o compreender tenho a mesma opinião que ele. Vou explicar-te mais um bocadito o meu ponto de vista. Eu só seguiria uma religião se ela estivesse 100% de acordo comigo e eu com ela. Sou fumadora, segundo a religião católica vício é pecado. Só por isto jamais iria para freira. Estou a falar dos representantes na terra de Deus é claro. Dizem que o Homem é pecador, eu sublinho, mas uma coisa é pecar sem querer outra é pecar vezes sem conta sabendo o que se está a fazer e, só porque o corpo é mais forte que a mente. Um padre, por exemplo, concorda com o celibato quando faz o juramento mas, não é um nem dois que tem uma mulher. Achas que eu posso acreditar em quem não segue à risca aquilo em que diz crer? Pois não. Não posso acreditar em quem não cumpre o que promete. Tal como Saramago sou radical e quem sofre mais com esse radicalismo sou eu mesma. Se acreditar em algo cumpro-o nem que chore lágrimas de sangue. Na religião católica cada um faz o que lhe apetece, seguir ou não seguir dá no mesmo. Para isso, porque sou muito verdadeira comigo e com os outros, não sou católica. Jamais deixaria de tomar a pílula ou usar o preservativo, encher-me de filhos, fazê-los passar fome em nome de uma religião que tem mais em conta o poder que o Homem. É melhor usar um anticonceptivo ou ter crianças a passar fome? Pois, esta religião pensa demais nela e muito pouco nos seres humanos. Não me serve. Mas eu percebi o teu ponto de vista. Percebi que não estás a favor de tudo, percebi que tens fé, percebi que criticas apenas a maneira de Saramago se exprimir. Percebi que acreditas em Deus e é essa crença que te move.
Mel gostava de te poder mandar esta resposta, como tu fazes mas, acredita que não sei se aqui é possível. Para lerem as respostas têm mesmo que passar por aqui outra vez. Vou investigar mas, creio não conseguir.
Beijinhos minha querida e obrigada.
Brown Eyes disse…
Ginger ele em Caim disse que Deus era filho da p…disse, não devia. Nisso estou de acordo com a Mel. Ele mesmo, numa entrevista que deu à SIC, que infelizmente não vi na íntegra, estava no Norte, disse que se tinha excedido, que não era preciso ter chegado a esse ponto. Para quem tem fé em Deus isto é considerado uma falta de respeito total. Temos que compreender isso. O Homem excedeu-se. Quem não errou já? Errou mas reconsiderou publicamente. Aqui têm que ser analisadas as duas partes com a mesma medida. Temos que pôr os defeitos e pecados dos dois numa balança e veremos que o prato do lado da religião penderá mais. Depois Saramago mesmo que pretenda vender mais, com a polémica, não pretende, de certeza, mobilizar multidões nem tão pouco usufruir disso e, nós, sabemos que não é o mesmo que a igreja pretende. A igreja tem obrigações que Saramago não tem. A igreja usa o nome de Deus como supremo e Saramago apenas quer levantar pedras. Lembremos a história do padre de boticas, que se presume que faz tráfico de armas. A igreja já veio a público dar alguma explicação? Não. Mas devia. Afinal trata-se de um membro seu que devia dar exemplos. São estes os exemplos que a igreja pretende dar aos seus filhos? Afinal para que ele traficava armas? O dinheiro é mais forte que a sua fé? São estes os exemplos que Deus tem na terra? São estas pessoas que nos falam na bíblia? Isto para não falar nos casos de pedofilia dentro da igreja que já vieram a publico. Este assunto não teria fim, encheria páginas e páginas e a conclusão seria sempre a mesma. Se cremos temos que dar o exemplo, sacrificarmo-nos mas, em vez disso….
João Pedro disse…
Brown Eyes, obrigado por me teres feito reflectir na borrada de frase que escrevi. Ás vezes, é preciso um abanão, como o que tu me deste, para perceber bem o que se faz ou escreve, como neste caso.
Tens toda a razão.

Beijo,
Helel Ben Shahar disse…
O tema de Deus há-de ser sempre uma forte base de polémica e argumentação interminável. Saramago trouxe a lume, com base em excertos tirados da Bíblia, comportamentos de Deus que permitem que se lhe aponte o dedo como cruel, injusto, até mesquinho. Não nos podemos esquecer que a leitura de Saramago é feita sem predisposições religiosas, à procura da afamada bondade de Deus. Pelo contrário, apresenta o que está lá. Mesmo no Novo Testamento, há o célebre episódio de Cristo que, sem motivo aparente, mata uma figueira (um episódio que, ainda hoje, penso, teólogos e católicos em geral não conseguem explicar).

Enfim, o que quero dizer é que muitos apontam o dedo a Saramago, a maioria, claro, crente, apenas porque o que nos ensinam enquanto crescemos nem sempre se coaduna com o que vem na Bíblia. Como a maioria dos católicos nem sequer leu a Bíblia, ficam chocados quando alguém aponta um defeito a Deus, defeito retirado da Bíblia.

Como muitos aqui expressaram, também fui religioso. Porém, com o tempo e à medida que lia autores, em defesa e em ataque à religião, comecei a afastar-me desta, sobretudo do cristianismo e todas as formas que possa assumir. Para isso, também contribui a leitura que fiz de alguns episódios da Bíblia e a própria actuação da Igreja Católica.

No fim, Deus, Bíblia e religião não passam de produtos do ser-humano e, portanto, sujeitos a falhas. Deus está longe de ser perfeito. afinal, não fomos nós feitos à sua imagem?
Brown Eyes disse…
Helel Ben Shahar encontraste o argumento perfeito: Deus está longe de ser perfeito. Afinal, não fomos nós feitos à sua imagem?
Obrigada pela visita e pela tua participação tão oportuna.
Helel Ben Shahar disse…
É sempre com prazer que participo em blogs com reflexões pertinentes e explanadas com lucidez, coisa que vai, infelizmente, rareando.

Gostei do teu espaço. Decerto, voltarei.

Saudações bloguísticas!
Brown Eyes disse…
Obrigada, mais uma vez. Como deves ter reparado já andei pelos teus blogs. Estou a pensar arranjar um cantinho especial para espaços literários. Tu tiveste uma óptima ideia com o Ariel, escrever online um livro. Penso que é um crime ter esse tipo de blogs juntos com os outros. Deviam estar em destaque para que muitas pessoas os possam conhecer. Escreves com leveza, terei muito a aprender contigo.
Helel Ben Shahar disse…
Ariel é, de facto, um desafio interessante, sobretudo porque, como repararás à medida que continuares a leitura, é escrito a duas mãos.

Obrigado pela visita e pelo elogio!
Brown Eyes disse…
O que o torna mais interessante, sem dúvida, e é um grande desafio para quem o escreve. Continuar o que outra pessoa começou é quase que uma provocação à invenção.
Helel Ben Shahar disse…
Exactamente! Nada como desafiar alguém num esforço de o superar e, mais importante, de nos superarmos a nós próprios.
Brown Eyes disse…
Nada melhor que um desafio. Que interesse teria esta vida sem desafios? Para mim nenhum.
Helel Ben Shahar disse…
Sim, se não fossem os desafios para agitarem o tédio da rotina, os dias arrastar-se-iam cinzentos e iguais.
JC disse…
A Igreja é a maior força manipuladora da mente Humana que já alguma vez existiu. Se por um lado, preconiza alguns princípios básicos que a serem seguidos, nos levariam a procurar praticar o bem, o que no fundo, só iria favorecer esta sociedade egoísta, invejosa e maliciosa, por outro lado, embora hoje com muito menos força, procura induzir e controlar as massas pelo medo do castigo, se os seus ideias não forem seguidos e respeitados. Deus castiga, segundo dizem. Para um devoto, isto é o suficiente. Já para não falar nos interesses económicos, escondidos por entre os ideais de santidade. Em relação ao Saramago (Ateu dos sete costados. No caso dele, oito ou nove), não vou opinar acerca das afirmações deste para com a Igreja, porque o conhecimento que tenho sobre isso é limitado e, como tal, não me permite. Sei que é um crítico fervoroso em relação a esta e que afirmou recentemente, entre outras coisas, que “a Bíblia é um manual de maus costumes “. Sei também que toda esta polémica tem origem no último livro dele, intitulado “Caim”. Contudo, e tal como dizes, o homem deve ter direito a exprimir o que pensa, ter direito á liberdade de puder expressar as suas ideias e opiniões. Mas também é importante não confundir liberdade com libertinagem. A partir do momento em que a liberdade de expressão entra no âmbito da ofensa e do desrespeito, esta perde toda a legitimidade. Agora, até que ponto é que o Saramago entra nesse campo ou não, não opino. A Igreja diz que sim, ele e os seus defensores dizem que não.
De qualquer forma, deixo-te aqui uma frase interessante, a meu ver, proferida por Peter Stilwell, padre teólogo e responsável pelo Departamento das Relações Ecuménicas no Patriarcado de Lisboa.
“Seria espantoso que um escritor como José Saramago, ateu professo, encontrasse algo de divino na Bíblia…”

No fundo, tudo se resume ao que dizes:
“Com ou sem Deus seremos aquilo que procurarmos ser.”
Grande verdade.

Bom fim de semana.
Brown Eyes disse…
JC obrigada pelo teu comentário que só veio adir ao que foi dito no post. São estas trocas de ideias, tão próprias da blogsfera, aqui podemos esmiuçar ideias com maior facilidade, que nos dão, além de mais conhecimento, um alargamento da visão do mundo que nos rodeia. Concordo plenamente com o que verbalizas e a frase que dizes parecer-te interessante, de Peter Stilwell, é-o realmente: “Seria espantoso que um escritor como José Saramago, ateu professo, encontrasse algo de divino na Bíblia…”
Esta frase daria um estudo curioso, um post muito interessante mesmo. Daria pano para mangas. Quem sabe um dia a vejamos desenvolvida. Não gosto de prometer, gosto de fazer e apresentar mas, que ela me fez pensar, fez. A ideia fica registada. Como deves já ter reparado o comportamento humano fascina-me e esta frase, esboroada pode dizer-nos muito desse comportamento. Obrigada por me teres dado esta oportunidade.
Bom fim de semana também para ti.
Anne disse…
adorei este teu texto. se começo a falar do assunto nunca mais me calo pois é uma coisa que adoro debater, religião, apesar de há mt ter deixado de seguir a religião em que fui criada. Muito bom texto.
Brown Eyes disse…
Anne também adoro debater este tema. Aliás todos os temas polémicos debatidos só contribuem para alargarmos os nossos conhecimentos e, quanto mais opiniões mais visões o que ocasiona, por vezes, alterações na nossa maneira de pensar. Nós, por defeito, só vemos o que interessa, e são os debates que nos chamam a atenção para determinados pontos importantes. Obrigada pela tua visita. Serás sempre bem vinda, seja qual for a tua opinião sobre os assuntos aqui abordados.
BJS e BFDS

Mensagens populares deste blogue

Fotoshop, para quê? Continuas Feia por Dentro!

Em primeiro lugar, vou pedir desculpa a quem costuma passar por aqui. Quem o faz sabe que há atitudes que me revoltam e que por isso...Vou desabafar. Tenho andado super, super indignada com certas publicações no facebook de uma pessoa que conheci há muitos anos, tantos que até já me esqueci. Trago essa pessoa atravessada porque foi e é, não acredito em milagres, a pessoa mais ordinária que conheci e que, infelizmente, tive que lidar de muito, muito perto. Há um tempo atrás descobri uma página dela no facebook (se cometer algum erro  não se admirem, sou uma dessas excepções que nada percebe sobre o facebook) e daí para a frente as publicações e até as páginas (os nomes também vão mudando) têm mudado (faz-me lembrar aquelas pessoas que passam a vida a mudar de número de telemóvel, sempre que querem fugir de alguém mudam de número de telemóvel). Muda tudo mas, a frase de apresentação vai mantendo o mesmo sentido, mais coisa menos coisa, a última é:
Sou amante do Universo, da paz, do conh…

Carnaval de Vermes