Avançar para o conteúdo principal

O nome



Quando alguém nasce damos-lhe um nome. O que soa melhor, que está na moda, o nome de uma personagem, de um famoso ou de um antepassado.
O que influência essa escolha? Bem imaginamos que é o gosto, a moda da altura a influência de aluguem mas…Será? Ou será o destino?
Destino! Que é isso de destino? Não acredito nele. Não acredito? Então o que me leva a tomar determinadas atitudes que, reflectidamente, não tomaria? Que me leva a, de repente, mudar o meu rumo depois de uma decisão tomada? Eu que não sou influenciável?
O destino é uma sucessão inevitável, absurda, incontrolável e inexplicável (através do método científico) de acontecimentos. Destino, sorte, fatalismo ou maldição, seja lá o que for que nos aprisiona, que nos impulsiona, nos impele, coage, nos incita a tomar determinada orientação na nossa existência. Queremos ter o domínio total, o poder sobre as nossas vidas mas, nem sempre acontece, exemplo disso, talvez o mais flagrante, é a morte. A morte, a doença e a velhice, implacáveis.
Outro dia, por curiosidade, procurei o significado e origem do meu nome. Fiquei perplexa. Eu era o reflexo vivo do meu nome. Que influência teve a sociedade, o meio, a tradição, a cultura, a família, as crenças na formação da minha personalidade?
Eu sou fruto de quê? A cultura, o conhecimento, que ao longo da vida vamos adquirindo, pensava ser a força que me conduzia. Além desta o poder de observação, que cada um de nós possui, orienta-nos na aquisição de padrões morais, encaminha-nos na tomada de decisões, dá-nos o arrojo necessário para enfrentar as adversidades diárias.
Eu, que pensei andar uma vida a criar, fui criada por um simples nome. Foi ele que me deu esta vida, que me traçou o caminho a percorrer, que me apresentou as alegrias e infortúnios, que me fez chorar e rir. Nunca o trocaria.

Para descontrair a música dos Delfins: "O teu nome" 
Brown Eyes


Comentários

Gingerbread Girl disse…
Detesto o meu nome... recuso-me a acreditar que ele foi o responsável por quem sou e sobre que rumo tomou a minha vida... =|

Isso seria no mínimo assustador.

Percebo a lógica dos signos e dos ascendentes... mas o "nome"... naaah



kiss*
Karlytus disse…
pra mim o significado dos nomes faria sentido se fossemos nós a escolhe-lo já em adultos.. assim , penso q sao tudo tretas.. lol

apesar disso gosto do meu.. :)

beijinho azulinho!!
PP_FANTASMA disse…
Isso é bom sinal:)
Brown Eyes disse…
A questão que eu ponho Karlytus é precisamente por não sermos nós a escolhe-lo. Se fossemos não me admiraria que o meu tivesse impresso todas as minhas qualidades e defeitos, que ele tivesse traçado o meu passado e presente, o futuro não sei, por enquanto. Porque escolheram esse nome e não outro? Que força levou a isso? "Sem uso da razão não consegue dissipar as incertezas e as instabilidades que sempre rodeiam a vida." Esta frase é aquela que mais define a minha vida. Há coisas que não entendo, não têm lógica, para mim e, por isso, andam constantemente a martelar na minha cabeça. O lógico para mim é ser tratado como se trata, alguém que nunca fez mal a ninguém ser maltratado, não tem lógica, não aceito nunca. Ver atitudes destas faz-me parar dias e continuo sem resposta. É a dita sina que alguns têm. Mas porque têm essa sina? O lógico seria serem adorados, amados, afinal de contas muitos deles deram e dão a vida pelos outros. Não é assim. E não é assim repetidas vezes ao longo da vida deles. Será que por serem puros, sinceros, são o saco da pancada dos outros? Ainda há dois dias morreu um colega meu que, ao longo da vida, fez tudo pela mulher e pela filha e pagaram-lhe tão mal! Duas senhoras em casa sem trabalhar, o desgraçado desdobrava-se em trabalho, no fim a preocupação delas era o dinheiro. Pode? Nunca entenderei estas sinas.

Mensagens populares deste blogue

Fotoshop, para quê? Continuas Feia por Dentro!

Em primeiro lugar, vou pedir desculpa a quem costuma passar por aqui. Quem o faz sabe que há atitudes que me revoltam e que por isso...Vou desabafar. Tenho andado super, super indignada com certas publicações no facebook de uma pessoa que conheci há muitos anos, tantos que até já me esqueci. Trago essa pessoa atravessada porque foi e é, não acredito em milagres, a pessoa mais ordinária que conheci e que, infelizmente, tive que lidar de muito, muito perto. Há um tempo atrás descobri uma página dela no facebook (se cometer algum erro  não se admirem, sou uma dessas excepções que nada percebe sobre o facebook) e daí para a frente as publicações e até as páginas (os nomes também vão mudando) têm mudado (faz-me lembrar aquelas pessoas que passam a vida a mudar de número de telemóvel, sempre que querem fugir de alguém mudam de número de telemóvel). Muda tudo mas, a frase de apresentação vai mantendo o mesmo sentido, mais coisa menos coisa, a última é:
Sou amante do Universo, da paz, do conh…

Carnaval de Vermes