Avançar para o conteúdo principal

Herança




Meditando sobre ela atingiu-me a dúvida sobre a origem da sua vida exterior, da sua ascendência. Um dia, após análise ponderadamente exaustiva, não encontrou um elo de ligação hereditário com os seus antepassados. Nenhuma influência, nenhuma comparação, nenhuma herança material ou espiritual. A sua alma meditava reflectidamente no ser, na vida, no objectivo da existência. A deles, perdia-se constantemente, na aparência do poder e do ter.
Para Ela o querer era poder e ela queria, queria mostrar a possibilidade de conseguir querendo, queria que o seu "EU" brilhasse com luz própria.
Para eles o poder estava nos outros a quem deviam obedecer sem vontade, sem opinião, com sujeição e submissão tendo, somente, como objectivo o aspecto exterior do ser.
O antagonismo, entre eles, crescia à medida que ela se tornava mulher. Não queria viver presa a ideias preconcebidas, tinha uma enorme sede de liberdade de pensamento. Não aprendeu a pensar como eles, em ajuntamento. O pensamento é exclusivo, singular, único e individual.
O certo, o exacto é tudo aquilo que segue uma regra. A regra não é crescer como os outros mas sim crescer sem espezinhar, esmagar, triturar, magoar, ofender, subjugar. A sua importância, o seu valor, não está na sua superioridade, não há seres superiores, mas sim na sua diferença. O seu orgulho esteasse na acção segundo valores, em que acredita e que são, para ela, o perfume da vida. Orgulha-se de nunca os esquecer, mesmo naqueles momentos que a encostaram à parede, nos momentos de autodefesa. Inveja, ciúme, ganância, avidez, nunca sentiu porque, na sua vida, os objectivos não são iguais aos teus.
Atingirá a meta por mais calhaus que encontre e por mais que lhe digas que perdeu porque, para ela, perder não tem o mesmo significado que para ti.
Enfim...Ela só quer ser Ela. Poderá?

Brown Eyes







Comentários

Pi disse…
Caramba... Quase que me vejo aqui descrita! :|

Mensagens populares deste blogue

Fotoshop, para quê? Continuas Feia por Dentro!

Em primeiro lugar, vou pedir desculpa a quem costuma passar por aqui. Quem o faz sabe que há atitudes que me revoltam e que por isso...Vou desabafar. Tenho andado super, super indignada com certas publicações no facebook de uma pessoa que conheci há muitos anos, tantos que até já me esqueci. Trago essa pessoa atravessada porque foi e é, não acredito em milagres, a pessoa mais ordinária que conheci e que, infelizmente, tive que lidar de muito, muito perto. Há um tempo atrás descobri uma página dela no facebook (se cometer algum erro  não se admirem, sou uma dessas excepções que nada percebe sobre o facebook) e daí para a frente as publicações e até as páginas (os nomes também vão mudando) têm mudado (faz-me lembrar aquelas pessoas que passam a vida a mudar de número de telemóvel, sempre que querem fugir de alguém mudam de número de telemóvel). Muda tudo mas, a frase de apresentação vai mantendo o mesmo sentido, mais coisa menos coisa, a última é:
Sou amante do Universo, da paz, do conh…

Carnaval de Vermes