Avançar para o conteúdo principal

Ela



Ondulava, deambulante entre a multidão silenciosa, captando debilidades alheias, com um ar humilde e piedoso. Era a amiga, posicionada na primeira fila, disposta a ver, ouvir e ajudar. Defeitos? Talvez a neurose. Sempre ao dispôr com aquele sorriso contangiante. Esperava o momento certo. Pacientemente aguardava a sua vez para trincar quem escorregasse, com aquela pureza estampada no rosto. Esse era o seu poder, único, a virtude que a destacava. Não tinha mais nenhuma. Só nunca nada conseguira, mas conseguia calcular como, quando e onde atacar e...de um salto, envenenava a vítima que caía prostrada a seus pés. Lentamente rastejava pelo capim, acumulando poder.Escondia as vítimas e roubava-lhes a imagem. Era aquela que sabia, únicamente, serpentear, matar, devorar, exibindo um ar angelical. Um dia reflectiu-se e derrubou-se. A divida foi cobrada.

Brown Eyes

Comentários

adorei teus olhos
beijoss
R.I.P.per disse…
vim cá deixar um breve contributo e agradecimento pelas referencias aos meus blogs...

mt bom o texto e a metafora n poderia ser melhor

Mensagens populares deste blogue

Carnaval de Vermes

Fotoshop, para quê? Continuas Feia por Dentro!

Em primeiro lugar, vou pedir desculpa a quem costuma passar por aqui. Quem o faz sabe que há atitudes que me revoltam e que por isso...Vou desabafar. Tenho andado super, super indignada com certas publicações no facebook de uma pessoa que conheci há muitos anos, tantos que até já me esqueci. Trago essa pessoa atravessada porque foi e é, não acredito em milagres, a pessoa mais ordinária que conheci e que, infelizmente, tive que lidar de muito, muito perto. Há um tempo atrás descobri uma página dela no facebook (se cometer algum erro  não se admirem, sou uma dessas excepções que nada percebe sobre o facebook) e daí para a frente as publicações e até as páginas (os nomes também vão mudando) têm mudado (faz-me lembrar aquelas pessoas que passam a vida a mudar de número de telemóvel, sempre que querem fugir de alguém mudam de número de telemóvel). Muda tudo mas, a frase de apresentação vai mantendo o mesmo sentido, mais coisa menos coisa, a última é:
Sou amante do Universo, da paz, do conh…